domingo, 1 de setembro de 2013

Tudo parece tão perfeito, que a única perfeição espanta-se com algo não imperfeito. Os objetos aí estão tão perfeitos que até parece impossível a discussão acerca do que seja o imperfeito. Metafísica sublime, a perfeição se move ao redor do seu próprio eixo perfeito. Mas que será essa perfeição? Talvez o corpo escultural nos templos gregos ou pantheons? Não. Dir-lhes-ei: o homem, magnífica máquina orgânica, capaz de pensar e formular desejos expressos em linguagens; exteriorização de um pensamento estruturado. Mas, essa mesma máquina magnífica orgânica desliza sobre o “óleo” impuro, vazado da imperfeita manutenção do essencialismo do mesmo.

Murillo Cesar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário