domingo, 1 de setembro de 2013

No tempo-espaço se perde o sujeito à ironia trágica dos poetas. E o medo? Teme a própria essência que perturba o homem na hermenêutica metafísica do desconhecido.

Murillo Cesar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário