domingo, 31 de julho de 2011

Sabedoria infeliz

Que é a sabedoria? Questiona-se o pensador angustiado. Como se não bastasse à profunda angustia frente a sua inquirição, ele se desfaz em choro e expurga a tinta lacrimal que escorre sobre este papiro.
Numa longa busca incansável pelas respostas para sua pergunta, o pensador se vê, cada vez mais, perdido nelas. Teu coração já não pulsa mais, como mola propulsora da vida, apenas questiona: que é a sabedoria?
Décadas mortas de respostas indizíveis. E a mesma inquirição: que é a sabedoria?
Aquele profundo questionador recorreu a pensadores gregos e orientais, mas nenhum sanava o seu problema. Foi então que, ao se perder nas labaredas da potente existência, ele resolveu peregrinar pelas montanhas de sua pequena cidade. Entreteve-se com a natureza, com os animais, mas nada. Nada conseguia resolver o problema: que é a sabedoria?
Sabedor ia, ele, sem perceber o interior de si mesmo, pois só resolveria o seu problema a resposta advinda de fora do seu espírito.
Os caminhos foram longos, e nada. Anos se passaram e o pensador abortara o seu questionamento. Então, o que haveria feito ele com a angústia que o tomara desde que iniciou o seu problema? Afinal, que é a sabedoria?
A angústia matou o sábio. A sabedoria aflorou a angústia. E o pensador assassinou as respostas, que se escondiam no ânimo do seu próprio ser.
Murillo Cesar.

quinta-feira, 30 de junho de 2011

Ansiedade


O dinamismo da vida frente à instabilidade do homem o coloca na prisão dos seus próprios transtornos. A ansiedade coordena o pensamento e amedronta o espírito antes mesmo de qualquer ação que venha acontecer. Este transtorno psico-fisiológico transforma o homem num mero espectador dos fenômenos externos, privando-o do horizonte a ser conquistado, sintomatizando a náusea, a angústia de não conquistá-lo. Esquecendo, enfim, o dinamismo do próprio espírito introspecto possuidor da força divina.

Murillo Cesar.

Angústia


A angústia me dilacera o peito
Que sangra a matéria insegura
Desmesura encarnada num leito
Aprisionado numa câmara escura.

Dos meus devaneios busco a cura
Até no leito materno do teu peito
A carapaça trincada da amargura
Implode o casulo sem efeito.

Busco, enfim, a montanha dos teus seios
Oh! Angústia fina e pura
Inculta alma entre meios

Das incrédulas atitudes, os anseios
Numa vida fria e dura
Devassa carne dos carniceiros.

Murillo César.

Ilhéus: Ilha Maravilha.


Ilhéus
Ilha maravilha do meu bel prazer
Que encanta o turista ao te conhecer
Belas avenidas que sopram brisas do mar
Por entre teus coqueiros quero estar
Morro de Pernambuco
Nem por um segundo 
Hei de te esquecer.
Navegar sobre suas águas
E sair no Pontal
De Norte até Sul
Em Olivença um litoral
Que prazer!
Na Maramata
Barqueiros a saudar
Correntes de água doce
Bênçãos de Orixás
Isso é Ilhéus!
Na praia da concha
Catar as conchas que vem do mar
Enfim sentar e pensar em você
Oh, minha linda princesa!

Murillo César.

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Como se compreende o incompreensivo?

Como compreender a complexidade humana se nos encontramos como partes integrantes de um gênero incompreensível da humanidade? Somos passíveis de fraquezas dentro de uma cápsula denominada fortaleza. O ser humano complexo, fraco, forte, indecifrável, constrói suas qualidades no percurso de sua existência, sem a qual não existiria o gênero; só poeira, só asneira. Viver é o dever do ser humano. Construir sua existência é uma obrigação imposta pela verdadeira fortaleza detentora de todo esse grão de areia que constitui a poeira existencial.

Murillo César.
O adeus é apenas o refúgio para um coração restabelecer a vitalidade do amor que se havia perdido nas banalidades medíocres da ilusão. Em contrapartida, percebe-se que o retorno é a abertura dum caminho que se deve percorrer com amor, fidelidade e sinceridade; pausando nas veredas floridas onde se encontra você-flor-bela, com um imenso receptáculo descerrado para o [filho] pródigo.
Murillo César.

O homem é cárcere do seu próprio espírito. O medo é a reprimida liberdade do próprio homem.

Murillo César.

Meras interrogações

São tantas as interrogações no campo cerebral que me permitem ter a visão de um campo minado pronto para explodir as certezas e inclinações sentimentais no fazer desejado pelo coração. É permissivo, hoje, viver intensamente cada momento, pois o amanhã é incerto. A distribuição das sensações já se limita ao instante, viver as paixões já me é permitido aproveitar. As esporádicas flores categoricamente permitem cultivá-las num jardim que antes não penetrava a mão do lavrador; mas o coração, este não permite de modo algum compreendê-lo, pois é nele que involuntariamente se escondem os mistérios da vida.

Murillo César.